sexta-feira, 4 de abril de 2008

O Vatapá não é de origem africana, é brasileirinho da Silva!

Qualquer pessoa que busque saber um pouco mais sobre Vatapá e comidas baianas, além das receitas e segredos dessas delícias, vai se deparar com muitas informações equivocadas sobre a origem dessas receitas e seus nomes.

A maioria afirma que a palavra Vatapá é de origem Yorubá, um dos dialetos africanos. Segundo Câmara Cascudo, nordestino e grande antropólogo e historiador, está é uma informação deveras equivocada.

Numa viagem à África, Cascudo descobriu que ninguém sequer sabia o que significava esta palavra, e que alguns dos alimentos que aqui reconhecemos como africanos, lá são reconhecidos como brasileiros. Assim é com o Vatapá, que o antropólogo afirma ser de origem Tupi. Confesso não ter encontrado ainda a referência do significado em Tupi da palavra vatapá, mas dada a semelhança com o nome de outra iguaria Tupi, o Tacacá, não é difícil acreditar no argumento de Cascudo.

Ingredientes:

01kg-pão cortado em rodelas grossas
02-colheres de sopa de óleo de girassol
01-cebola grande picada
02-dentes de alho amassados
01-pimentão verde picado
01-tomate sem sementes picado
1/2kg-camarões salgados e escaldados para tirar o excesso de sal
sal a gosto (se precisar)
01-maço de cheiro-verde completo picado
01-garrafa média de leite de coco
azeite de dendê e pimenta-murupi a gosto

Coloque o pão de molho com água suficiente para cobri-lo. Deixe descansar o tempo suficiente somente para amolecer. Esprema bem o pão e amasse-o com as mãos, ou passe-o no liqüidificador, ligeiramente. Reserve.

Em uma panela grande, coloque o óleo e deixe aquecer. Junte a cebola, o alho e refogue rapidamente. Junte os tomates e os pimentões. Tempere com pimenta e junte cheiro-verde. Mexa bem por alguns minutos. Junte a massa de pão e misture.Acrescente o leite de coco, misturando a cada adição e logo em seguida junte os camarões. Junte o azeite-de-dendê aos poucos. Misture bem . Amasse bem a pimenta-murupi em um pires com uma ou duas colheres de sopa de água e junte somente essa água à panela de vatapá(sem as pimentas).

Deixe ferver até que comece a formar uma leve crosta no fundo da panela. Retire e sirva quente.

9 comentários:

  1. É até estranho ser de origem africana, pq é um prato com muitos condimentos que não eram de fácil acesso aos escravos oriundos da Bahia. 99% de chances dele realmente ser originário do Pará.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas leva dendê, que é de origem africana. Lógico, as comidas sofrem alterações com o encontro ou choque das culturas, mas se o vatapá tiver origem tupi, ele deveria ser muito diferente do que é hoje.

      Excluir
    2. Sim, concordo com vc que a receita atual deve ser diferente da original. O mote dessa questão é: o quanto conhecemos as nossas raízes indígenas?

      Excluir
  2. pensei q o vatapá fosse feito com frango , ñ com camarão!
    isso é muito estranho.

    ResponderExcluir
  3. so sei que eu nao gosto
    mais na minha facu vai ter uma seminario e eu vou ter que desebolssar 10reais eu vou come muitoooooooooooooooooo belly

    ResponderExcluir
  4. Com relação aos temperos que Aleksander diz ser de difícil acesso aos africanos. Quero dizer que também os índios não utilizavam temperos e condimentos e suas comidas. Portanto, também não é do Pará. E mais, essa receita é feita com pão e a recita paraense é feita com trigo.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tenho algumas considerações a fazer sobre suas afirmações: primeiro, em que fonte vc encontrou tal afirmação de Câmara Cascudo? Depois, Gilberto Freyre, em seu livro "Açúcar" (1936, pág. 489) diz que o prato foi criado a partir de receitas africanas, como o muambo de galinha e quitande de peixe, acrescido a elas iguarias e temperos nacionais. Um outro equívoco de seu texto é chamar Câmara Cascudo de nortista. Na verdade, ele nasceu em 1898, em Natal-RN sendo, portanto, nordestino e não nortista.

    ResponderExcluir
  6. Cara Karelayne, a referência é História da Alimentação no Brasil.Luís da Câmara Cascudo. Global, 2004

    Freyre se refere ao vatapá da Bhaia, e Cascudo, ao vatapá paraense. Por isso algumas pessoas estranharam o vatapá ser feito com camarão no lugar de frango.

    Confesso ter escorregado na geografia, irei corrigir o texto agora mesmo.

    No mais, argumento, que se um prato foi desenvolvido e nomeado no Brasil, ainda que tenha referências de culturas externas, ele é uma criação brasileira. Afinal, somos um povo híbrido e como tal, a hibridização das culturas é a nossa cultura.

    ResponderExcluir
  7. Caros, após leitura a seguir espero ter contribuido para que sejam dissapadas algumas dúvidas com relação a riqueza da nossa diversidade culinária..texto do livro "Com unhas, dentes & cuca" de Alex Atala e Carlos Dória, sobre COZINHA REGIONAL .."Aparentemente, nada é mais estável que o vatapá. Ele parece ter vindo da África, do fundo dos tempos e, incólume, resistiu a toda sorte de modernizações. Por isto ele é símbolo gastronômico da Bahia. Ledo engano histórico. O folclorista Câmara Cascudo mostrou como a cozinha baiana é dessas tradições inventadas, fruto da unificação tardia dos cultos afro-brasileiros na segunda metade do século XIX, que, entre outras consequências provocou a homogeneização das "comidas de santo". O vatapá aparece, neste contexto como uma reinterpretação baiana da açorda portuguesa, cuja origem é uma papa de miolo de pão ensopado e temperado que acompanha peixes e frutos do mar. Todas as terras colonizadas pelos portuguese incluindo Goa e Macau, tem uma versão local da açorda ou, se quisermos, de vatapá."

    ResponderExcluir

O conteúdo aqui publicado é de caráter educacional e preventivo.

Para diagnósticos e receitas procure um médico.